abr
30

Aprendendo a lidar com as emoções no ambiente de trabalho

FLAUDIMIRAprender a administrar impulsos e sentimentos é tão importante quanto ter boas qualificações técnicas. Excelente currículo, habilidades técnicas e experiência na área. Tudo isso pode ir por água abaixo se a pessoa não souber lidar com as emoções (próprias e dos outros) no ambiente de trabalho. Especialistas são unânimes ao afirmar que é muito difícil separar a vida pessoal da profissional, mas também concordam ser possível aprender a gerenciar os impulsos para driblar as adversidades que surgirão ao longo de sua carreira.

Quando vamos trabalhar, levamos tudo que está de bom e o que não está. Por isso, é importante desenvolvermos uma “atenção amorosa” em relação a nós mesmos e depois elaborarmos nossos sentimentos e desejos.  Para o profissional não acabar explodindo com um colega, destratando o chefe ou tendo uma crise de choro em plena reunião com clientes,  psicólogos explica que o autocontrole dessa emotividade é o primeiro passo para atitudes intempestivas. 

No momento em que a pessoa identifica de onde vem seu ímpeto de agressividade ou de hipersensibilidade, pode racionalizar e usar isso a seu favor. Essa é a diferença entre resistência e resiliência. É quando, além de não sucumbir às emoções, a pessoa as transforma positivamente.

Na prática, percebe-se o desequilíbrio dos sentimentos quando um profissional não sabe se posicionar frente às situações adversas de forma madura e assume um comportamento passivo, agressivo ou dissimulado. Já o profissional que sabe administrar as emoções, torna-se bem resolvido e maduro. Ele usa as técnicas da comunicação assertiva para expressar seu desconforto e acertar as relações com chefes e colegas, propondo novas alternativas de relacionamento saudável.

Encontre-nos no Google+ Sou o criador e editor do blog, e tenho como objetivo informar, esclarecer, ajudar, tirar duvidas, apresentar matérias relacionada as área de recursos humanos, psicologia organizacional.

Escrito por Flaudimir Andrade. postado em Psicologia organizacional, Recursos Humanos

Tags: , , , ,

Trackback from your site.

Leave a comment

Responda abaixo * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

%d blogueiros gostam disto: